Serviços

Biologia de Pragas e Doenças Transmitidas

Biologia de Pragas e Doenças Transmitidas

A Dedetizadora e Desentupidora Prelude apresenta aqui informações importantes sobre a biologia e as doenças transmitidas pelas pragas urbanas. Esse espaço é fundamental para que você conheça um pouco mais, entre outros detalhes, dos locais onde tais pragas se reproduzem, seus hábitos e como identificar cada uma.

Aranha

Biologia de Aranhas

As aranhas compõem a ordem mais numerosa dos aracnídeos, sendo consideradas válidas cerca de 35.000 espécies em todo o mundo, embora, segundo alguns autores, este número possa chegar a 100.000.

Habitam praticamente todas as regiões do planeta, incluindo uma espécie aquática. Muitas espécies vivem próximas, e até mesmo dentro de habitações humanas, favorecendo a ocorrência de acidentes.

O veneno, produzido por duas glândulas situadas na região das quelíceras, pode ser utilizado na captura de presas e como defesa. Poucas espécies podem causar acidentes com envenenamento humano importante.
No mundo, são conhecidas 35.000 espécies de aranhas, distribuídas em mais de 100 famílias, porém, somente cerca de 20 a 30 espécies são consideradas perigosas para o homem. No Brasil, as espécies mais representativas pertencem aos gêneros Phoneutria, Loxosceles e Latro-dectus.

Reprodução

O dimorfismo sexual nas aranhas é caracterizado pela presença de bulbo copulador (localizado nas extremidades dos pedipalpos) nos machos. O acasalamento ocorre com o macho introduzindo o bulbo copulador, contendo o esperma, na abertura genital da fêmea.

Após o acasalamento, o conteúdo espermático fica armazenado numa estrutura denominada espermateca. Os ovos são fertilizados no momento em que a fêmea realiza a postura.

Para armazená-los, é construída uma bolsa, elaborada com fios de seda, chamada ooteca. A fêmea permanece junto a ooteca, até o momento da eclosão dos filhotes. As aranhas, bem como os escorpiões, possuem o corpo recoberto de quitina, (exoesqueleto), que é trocado periodicamente até a maturidade. As fêmeas das aranhas caranguejeiras realizam anualmente a troca de pele, mesmo depois de adultas.

Alimentação

São carnívoros, alimentando-se de insetos e pequenos invertebrados. Algumas espécies de caranguejeiras da Amazônia são capazes de caçar roedores e pequenos pássaros.

Habitat

Vivem no meio terrestre, desde as Ilhas próximas à região Ártica até os limites sulinos dos continentes, em teias geométricas ou irregulares, em buracos, cupinzeiros, sob troncos caídos, cascas de árvores, bem como dentro das moradias e suas proximidades.

Espécies perigosas

No Brasil, as espécies de aranhas que costumam causar acidentes com envenenamento humano pertencem aos gêneros Phoneutria, Loxosceles e Latrodectus.